Sindicato aciona TJ-PI contra suspensão do atendimento do Iaspi/Plamta

Com a suspensão dos atendimentos, os beneficiários continuam sem acesso a exames, consultas e outros procedimentos médicos de caráter eletivo.

Diante do prejuízo e com objetivo de assegurar o direito a atendimento dos servidores do Poder Judiciário do Estado do Piauí, beneficiários dos planos de saúde Iaspi e Plamta, o Sindicato dos Servidores do Judiciário Estadual do Piauí (SINDSJUS-PI) solicitou que o Tribunal de Justiça do Piauí (TJ-PI) adote as providências cabíveis para que os atendimentos sejam regularizados, bem como sejam apuradas as responsabilidades civil, administrativa e criminal de quem motivou a suspensão.

Foto: TELSÍRIO ALENCAR/PAUTAJUDICIALSede do Sindjus/Pi
Sede do Sindjus/Pi

O documento do SINDSJUS-PI foi enviado nessa quarta-feira (18) para o presidente do TJ-PI, desembargador Erivan Lopes e destaca a autonomia administrativa e financeira do Poder Judiciário em relação ao Executivo. Além disso, o SINDSJUS-PI reforça que esta ação é necessária diante dos inúmeros relatos de prejuízo dos servidores do Judiciário com a situação e que a suspensão dos atendimentos tem se repetido, mesmo com os descontos mensais para pagar a contribuição do Plamta e Iaspi.

“Estamos adotando as medidas cabíveis para obrigar os responsáveis a resolver essa situação pois precisamos que seja garantido o direito dos servidores. Esse problema da falta de repasse tem sido recorrente e é preciso dar um basta nessa situação”, declarou Carlos Eugênio de Sousa, presidente do SINDSJUS-PI.

Com a suspensão dos atendimentos, os beneficiários continuam sem acesso a exames, consultas e outros procedimentos médicos de caráter eletivo. Somente alguns casos de urgência e emergência estão sendo atendidos na rede credenciada Os dois planos têm cerca de 300 mil beneficiários, entre titulares e dependentes, que estão prejudicados com essa situação,

A suspensão dos atendimentos aos beneficiários do Plamta e Iaspi foi formalizada na última segunda-feira (16), após uma reunião entre Governo do Estado, representantes do Sindicato dos Hospitais do Piauí (Sindhospi) e o Ministério Público do Piauí. No mesmo dia, também foi realizada uma audiência pública para debater o problema na Assembleia Legislativa e o SINDSJUS-PI participou do debate, reforçando que vários servidores têm entrado em contato com a entidade sindical para relatar que estão apreensivos com essa suspensão nos atendimentos e com os prejuízos que ela acarreta para quem precisa do serviço.

O Iaspi oferta atendimentos ambulatoriais e consultas eletivas aos servidores do Estado. Já o Plamta é responsável pelos serviços de internação, urgência e emergência. Ao todo, os planos têm cerca de 1.500 hospitais, clinicas e laboratórios credenciados em todo o Piauí.

Fonte: Ascom

Compartilhe este artigo:

Facebook

Enquete

Qual sua opinião sobre porte de armas no Brasil?

  • 5,97%
  • 19,4%
  • 41,79%
  • 4,48%
  • 8,96%
  • 10,45%
  • 7,46%
  • 1,49%

Total: 67 voto(s)

Encerrada em 30/11/2017 17:07

Últimas Notícias

1