Marcus Vinicius é a favor do PL que intimida magistrados e policiais

O ex-presidente do Conselho Federal da OAB dez a defesa do esdrúxulo projeto de lei que intimida magistrados e policiais num artigo publicado no Estadão.

Enquanto os magistrados, membros do ministério público, policiais federais, civis, militares e a maioria esmagadora da advocacia brasileira,  se mobilizam para combater o mais esdruxulo projeto de lei que visa intimidar os que combatem o crime no Brasil, o ex-presidente do Conselho Federal da OAB, Marcus Vinicius Furtado Coelho decide saí na defesa do temido projeto.

Foto: TELSÍRIO ALENCAR/PAUTAJUDICIALAdvogado Marcus Vinicius Furtado Coelho
Advogado Marcus Vinicius Furtado Coelho

Na contra mão de um projeto de lei que tira por completo a autoridade e autonomia da justiça e da policia, o jurista sai contra todos e estranhamento na defesa de um projeto de lei que se aprovado pelo Congresso, desmoraliza de vez a autoridade judiciária ou policial do Brasil.

O país inteiro sabe que 70% do Congresso Nacional é composto de membros que já tem passagem pela policia e pela justiça. É de  cristalino o saber  que esse projeto de lei de autoria do investigado Renan Calheiros com apoio de seus comparsas é de interesse único e exclusivamente, para buscar inverter os valores nesse país. Fazer valer que bandido pode até da voz de prisão ao juiz e ao policial.

O Advogado Marcus Vinícius deixa margem para se igualar aos mentores e desse absurdo projeto de lei que trata do abuso de autoridade ao defendê-lo. Afinal, bandido é para temer as autoridades e não se igualá-las, principalmente, no momento de sua prisão e de seu julgamento.

Hoje mesmo ouvi  de um juiz o seguinte depoimento: “Se esse projeto de lei for aprovado e sancionado, eu e tantos outros colegas da magistratura,  teremos dificuldades para desempenhar nossas funções. Será um caos”.

LEIA  O ARTIGO ESCRITO POR MARCUS VINICIUS FURTADO COELHO NO ESTADÃO:

Nova Lei de Abuso de Autoridade fortalece o cidadão e seu defensor, o advogado

Imagine que você está dirigindo seu carro e é parado em uma blitz policial. Após apresentar seus documentos pessoais e a documentação do veículo, todos regulares, o policial diz que seu carro será apreendido, porque você não está portando a nota fiscal do veículo. Você argumenta que o veículo é de sua propriedade, como demonstra a documentação, e que não necessita carregar a nota fiscal consigo. O policial insiste sobre a necessidade da nota fiscal e exige que você lhe entregue as chaves do veículo. Você se recusa e é preso em flagrante delito, algemado e conduzido à delegacia. Lá, você liga para seu advogado, que se dirige à Delegacia de Polícia, mas é impedido de conversar com você, pois está sem a procuração.

Essa situação hipotética, assim como outros casos de abuso de autoridade, infelizmente são mais corriqueiros do que se imagina.

O Estatuto da Advocacia garante ao advogado o direito de “comunicar-se com seus clientes, pessoal e reservadamente, mesmo sem procuração, quando estes se acharem presos, detidos ou recolhidos em estabelecimentos civis ou militares”.

O Estatuto também assegura a inviolabilidade do escritório de advocacia e o sigilo das comunicações entre o advogado e seu cliente. Além disso, quando o próprio advogado for preso exercendo sua profissão, terá direito à presença de um representante da OAB, além de outras prerrogativas que lhe garantem o livre exercício de sua profissão.

O projeto de Lei 7.596/17, aprovado nessa 4ª feira (14/8) pela Câmara dos Deputados –e que agora segue para a sanção presidencial – torna crime as práticas de autoridades que violem as prerrogativas acima mencionadas, previstas no artigo 7º, incisos II a V da Lei n. 8.906/94, o Estatuto da Advocacia. Negar ao advogado acesso aos autos de processo ou procedimento investigativo também é tipificado como crime pelo art. 32 do projeto de lei.

O impedimento de entrevista pessoal e reservada do advogado com o preso, réu solto ou investigado, bem como impedir que eles se sentem lado a lado e se comuniquem durante a audiência, também possui tipificação específica, prevista no art.20 do projeto de lei aprovado pelo Congresso.

Fruto de uma histórica luta da classe, a norma atende a demandas que não se limitam à proteção da advocacia no exercício da profissão, mas que visam assegurar, em última análise, o direito dos cidadãos a uma ordem jurídica justa, ao devido processo legal, à ampla defesa e ao contraditório e a terem seus direitos tutelados pelo Estado, por intermédio da atuação do advogado.

A relação indissociável entre o exercício da advocacia e a proteção dos direitos dos cidadãos decorre de expressa previsão constitucional. A Constituição consagrou a indispensabilidade do advogado para a administração da justiça e a inviolabilidade de seus atos e manifestações no exercício da profissão, respeitando-se os limites legais. E a lei previu que, em sua atuação privada, o advogado exerce função social e presta serviço público.

É por isso que as prerrogativas consagradas legalmente aos advogados, mais que salvaguardar o exercício de uma atividade privada, colocam-se a serviço da garantia de uma função pública, de defesa de direitos e da ordem constitucional vigente.


Com a aprovação do projeto de lei e a criminalização de condutas que violam direitos dos advogados, eleva-se a proteção jurídica conferida ao livre exercício da advocacia. Além da responsabilização civil e administrativa, as autoridades que violarem as prerrogativas poderão ser responsabilizadas penalmente.

Em sua atuação cotidiana nos fóruns, no Ministério Público, nas delegacias de polícia, nos presídios e nos órgãos públicos em geral, os advogados infelizmente ainda encontram rotineiramente obstáculos e violações que os impedem de exercer livremente sua profissão.

Prerrogativas e privilégios não se confundem. A ampliação da tutela das prerrogativas da advocacia, longe de representar vantagens escusas à classe, significa garantir a esses profissionais, no exercício de seu mister, que é um múnus público, condições de independência e autonomia de atuação e de pleno exercício de suas funções, de modo a garantir que seja atendido o interesse público na realização da justiça.

Ademais, importante que se diga aos mais incautos, que o projeto de lei contra o abuso de autoridade nada tem a ver com impunidade. O Direito e o processo servem à realização da justiça e à aplicação da sanção devida àqueles que cometem crimes ou infrações de outra ordem. Mas a responsabilização de qualquer cidadão deve passar pelo crivo do devido processo legal, com garantias mínimas asseguradas. É a regra mais básica e primordial que separa nosso modelo de Estado dos antigos Estados absolutistas, onde o rei podia mandar guilhotinar, a seu bel prazer, aquele que infringisse as normas.

Em um Estado Democrático de Direito, ninguém está acima da lei e deve ser responsabilizado pelos abusos que cometer. O agente público deve agir em nome do cidadão, pelo cidadão e em respeito ao cidadão, não se confundindo autoridade com autoritarismo. A liberdade do exercício profissional do advogado é condição essencial de sobrevivência de uma democracia. Quem atenta contra a independência e a liberdade do advogado, atenta contra o próprio Estado Democrático de Direito.

*Marcus Vinicius Furtado Coêlho, advogado, é presidente da Comissão de Direito Constitucional da Ordem dos Advogados do Brasil e foi presidente nacional da OAB de 2013 a 2016

Fonte: REDAÇÃO

Compartilhe este artigo:

Facebook

Enquete

Qual sua opinião sobre porte de armas no Brasil?

  • 5,97%
  • 19,4%
  • 41,79%
  • 4,48%
  • 8,96%
  • 10,45%
  • 7,46%
  • 1,49%

Total: 67 voto(s)

Encerrada em 30/11/2017 17:07

Últimas Notícias

1