Fechar ×Pauta de Opinião Pública
Telsirio Alencar, jornalista e advogado (TELSÍRIO ALENCAR/PAUTAJUDICIAL)
TUDO EM ORDEM O blog informará ao mundo jurídico diariamente sobre os acontecimentos do judiciário brasileiro, bem como, emitirá sua opinião sobre as pautas judiciai.

Desembargadora escreve forte artigo sobre escolha da lista no TRT/PI

“Até quando, Catilina, abusarás da nossa paciência ?

“ Quanto zombará de nós ainda teu atrevimento? Aonde vai tua desenfreada insolência? Com essas palavras Cícero abre um dos seus discursos mais famosos: As Catilinárias .

Foto: Marcelo Cardoso/GP1Desembargadora Liana Chaib do TRT/PI
Desembargadora Liana Chaib do TRT/PI

Cícero foi um político que nasceu em Arpino, no Lácio (106 a.C) e que, como Senador, enfrentou o maior desafio do seu tempo: combater a Conjuração de Catilina, um aristocrata romano que queria usurpar, sorrateiramente, o poder supremo da República e tornar-se Cônsul.   

Cícero, ao descobrir a intenção de Catilina de incendiar Roma, com a tentativa de causar o caos, profere no Senado a Primeira Catilinária, no dia 08 de novembro de 63 a.C.

As cortinas se fecham e é chegada a hora de perguntar, de refletir : parafraseando Cícero,  até quando, ó Catilina, as mulheres serão atacadas em sua honra, em seu íntimo, quando, corajosamente, altivas e destemidamente, resolvem ocupar as cúpulas do Poder? Até quando assistiremos, atônitas e paralisadas o enxovalhar de suas mais íntimas entranhas, na tentativa de eliminar a sua voz? Que honra defendemos? Que reputação ilibada estamos dispostos a servir e reverenciar? A que ou a quem o “ notável saber jurídico” deve servir? Deve estar a serviço da injustiça, da vaidade ou da perpetuação dos preconceitos?

Tal como a indignação do Cônsul Cícero foi a  de Jesus de Nazaré ao confrontar Maria Madalena a seus acusadores.

Aprendi com o meu pai, a 1ª lição sobre ser juiz, quando passei no concurso público, ainda para a justiça comum. A frase dele ainda hoje retumba  aos meus ouvidos: “o pior juiz é o juiz pusilânime, o juiz medroso, o juiz covarde. Esse, dizia ele, não honra a toga que veste. O juiz medroso que decide baseado nas intrigas, fuxicos e fofocas também não possui um dos mais necessários requisitos para ser juiz: a independência. Ser independente é não ser acorrentado pelo juízo da sociedade mas apenas ser conduzido por sua consciência.   

E vejo quão grandioso é esse ensinamento.    Então, as mulheres que concorreram à lista tríplice da nossa Corte têm, no mínimo, coragem,ingrediente tão necessário quanto o saber jurídico.

Há que se ter coragem para ir buscar um sonho, ainda que para alguns seja inalcançável; há que se ter coragem para enfrentar um mundo preconceituoso; há que se ter coragem para saber, que a partir de uma disputa, sua vida pessoal haverá  de ser radiografada e maculada.  Há de se ter coragem para ser mulher.

 A coragem de todas as mulheres que disputaram uma vaga deve ser digna de elogio e motivo de esperança para a sociedade e não motivo de vergonha porque não chegaram lá.

Toda mulher que  inicia um caminho faz história; faz história porque inspira e inspirar  é o maior legado que podemos deixar. Mostrar que o percurso é tão valioso quanto a chegada. Com ele aprendemos, com ele analisamos nossos erros e acertos e, a partir deles, podemos refazer. O poder da recomposição nos molda, nos torna árvores frondosas que, mais cedo ou mais tarde, proporcionarão sombra a tantos outros.

Presto uma homenagem a todas elas. Todas, sem exceção de nenhuma, e abro uma parênteses para mencioná-las nominalmente, Dra. Olívia Brandão, Dra. Heloisa Hommerding e Dra. Tácia Nunes, cada uma   merece meu respeito  e admiração. Todas são dignas e honradas. Todas são merecedoras de ocupar qualquer lugar, sobretudo um Tribunal. Todas enfrentaram bravamente uma campanha e foram vitoriosas no órgão de classe a qual pertencem: essa é uma vitória digna de reconhecimento, aplausos e confetes.

Todas devem manter a altivez, própria de mulheres honradas. Uma trilha percorrida nunca é em vão. Deixamos nossa marca, deixamos nossa pegada, para que alguém possa seguir.

Portanto, agora que as cortinas se fecharam, devo à mulheres esta homenagem e termino com uma frase de uma mulher que para mim é um ícone, uma luz que mantém acesa a esperança na humanidade, que se chama Michele Obama: “Espero que todas vocês acreditem na vossa história...espero que reconheçam o poder da vossa voz.”

Todas nos ensinaram, cada uma à sua maneira.

Compartilhe este artigo:

Facebook

Enquete

Qual sua avaliação sobre o juiz das garantias para o país?

  • 34,0%
  • 0,0%
  • 0,0%
  • 7,0%
  • 7,0%
  • 50,0%

Total: 26 voto(s)

Encerrada em 31/05/2020 11:41

Últimas Notícias